domingo, 28 de outubro de 2007

Fi-nal-men-te...

...Um fim de semana porreta!
Agenda cheia de coisas muito boas.

Festa sexta e sábado.
Hoje, café da manhã com filhotes, Quel e Ava & torradas francesas.
O almoço foi um oferecimento do meu personal chef do coração, Uver san, e meia trupe amanteigada. Diliça!

***


Sexta foi festão, de ficar dançando 4 horas sem parar, com direito a DJ-preferido-alemão quebrando tuuudo e com muuuuitos amigos em volta. Além de irmão e primo. Ó que raridade!



Chris veio com um set super dançante, pra cima, rebolation até não mais poder! E ele é o fofoleto de sempre. Amém!
Chegamos em casa às 7h da matina.

Lu & Danae: “perdeu, prêibói!”


***


Sábado foi aniversário da Quel, minha amiga, desde o meu 1º aninho de vida (lá se vão xis anos, fiota. Virge! Pulemos este pedaço). Mas enfim, a organizadora do eveinto, Dona Ava Maria (minha amiga-irmã tb há milênios) encomendou a módica quantia de 18 garrafas de champagne.

Resultado: tirando eu e Sabrina que não bebemos - 15 pessoas tomaram 16 garrafas! Sendo que eu cheguei às 23h e sai à 01h. E deu-se tudo aquilo nesse estrito tempo.

Calcule o prejuízo para a moral e os bons costumes, beibe!
Você não vai conseguir, mas pode ir tentando, que esse exercício é no mínimo engraçado.

Só a saideira, já com a barriga doída de tanto rir:

Íamos pro carro as cinco- eu, Ava, Ed, Quel e Malena - e o pobre do Ricardo, que nos atendeu tão fielmente a noite inteira, e que naquele momento carregava as 40 taças (porque Avinha realmente achava que iriam no mínimo 30). Eu carregava as duas garrafas que sobraram, as bolsas (sim, no plural) e o prato de bolo. Ao chegarmos ao carro, Ava se vira e diz: - “Bela...essa garrafa a gente leva pra casa... que eu ainda não to beeeeem bêbada... E essa outra a gente dá pro Ricardo.(...) Ricardo, meu bem, você é um doce... e me-re-ce se embriagar feito eu. Mas... é pra vc ficar completamente embriagado... embora eu ainda não esteja assim... é claro...”

[A cada reticência dessas, imagine a pessoa pequena – ela tem mais de 1,80m e ainda por cima fala alto- respirando fundo, fechando os olhinhos e fazendo um biquinho]

Raquel completa: "Isso mesmo, é do Ricardo! ...mas...Ué, eu não vim de sapatos? Cadê meus sapatos?"

Gargalhada geral, claro.

Eu trouxe Ava pra dormir na minha casa. Beto levou Quel e as demais estavam auto-administráveis ainda. É lógico que eu não ia deixar a criatura ir dirigindo naquela situação.

Vai daí que na porta do meu apartamento, ela me diz: “- Sabe que eu to até orgulhosa de mim... de estar chegando em casa... a essa hora. Tá tão cedo... e eu nem quis passar na sinuca!”

(...ó o biquinho)

Eu dei a ela uma água tônica. E deixei um copo com umas folhinhas de boldo em infusão, de sobreaviso, na cabeceira do quarto de hóspedes.

Não quis é? Hã hã. Ela ameaçou saltar do carro em movimento, quando passamos na quadra do Área 51.

Mas isso eu nem contei pra ela.

Deixei que ela se recuperasse primeiro da ressaca moral pelo resto.

3 comentários:

Alê Namastê disse...

Haja fôlego. Beijos*

BethS disse...

Bela, que gandaia, hein?
e agora que esta chegando um feriadão...
Beijos, grata pelo papinho no telefone.

Carla San disse...

Marida, a farra tava boa!
Ainda bem, vc precisa mesmo se divertir. Beijocas